domingo, janeiro 15, 2006

ABREUS Senhores de "FORNOS" II


Em principios da nacionalidade o "Lugar dos Fornos" foi um concelho reguengo, portanto propriedade regia. Em meados do seculo XIV o rei D. Fernando concedeu o senhorio de Fornos a sua filha D. Isabel de Portugal, (este senhorio incluia tambem Viseu, Celorico e creio que Azurara) como dote de casamento com conde de Guygon e Noronha.

Acontece que quando este rei morreu e nao deixou descendencia varonil, o rei de Castela invadiu Portugal defendendo os direitos de sua esposa D. Beatriz filha de D. Fernando, ao trono de Portugal (1385). Entre os muitos nobres que estiveram ao lado do rei de Castela esteve tambem o conde de Guygon e Noronha, pelo que tendo D. Joao de Castela sido derrotado primeiro em Trancoso e depois em Aljubarrota, e tendo D. Joao I, Mestre de Avis, subido ao trono Portugues, decidiu compensar os que o ajudaram e punir os que estiveram contra ele.
Foi entao que o senhorio de Fornos, foi retirado aos Noronhas e concedido aos Abreus,(Viseu foi para o infante D. Henrique, nada sei acerca das outras terras.)e, assim se manteve ate meados do seculo XVI.

Quando o rei D. Felipe I, subiu ao trono portugues, criou o condado de Linhares, dando este titulo aos Noronhas, retirando o senhorio de Fornos aos Abreus. (suponho porque os Abreus estiveram do lado portugues )
Mas como nao ha uma sem duas, ja depois da restauracao da independencia, a familia Noronha voltou a conspirar contra o rei de Portugal (D. JoaoIV), sendo entao extinto aquele condado e todos os bens dos Noronhas confiscados,(no entanto ja depois da restauracao o rei espanhol elevou o conde de Linhares a duque, no entanto ele nunca mais veio a Portugal.)Ficou entao o senhorio de Fornos e tambem de Algodres, na posse da Casa de Braganca e poucos anos depois passou para recem criada Casa do Infantado, onde se manteve ate as revolucoes liberais do seculo XIX.

PS: Na foto o solar dos Abreu Castelo Branco "Casa da Torre"

7 comentários:

JL disse...

Como dizia o Badaroti: Ó Abreu, dá cá o meu :-)

Uma boa semana para si, amigo Cardoso

BlueShell disse...

As coisas que uma pessoa aprende!
BShell

Nuno disse...

Este blog tem mostrado um trabalho notável ao divulgar estas particularidades do concelho de Fornos de Algodres. Incrivel como antigamente dotados de menos tecnologias e maquinaria erguiam estes autenticos palácios abrilhantados sempre envolvidos de um efeito artistico muito trabalhado,

Nuno - Trancoso

TSFM disse...

O Conde de GuYon e Noronha teimava sempre em estar no lado dos castelhanos. Outros houve que assim fizeram e tiveram a mesma sorte, ou sorte idêntica quer na cris de 1383-1385 quer mais tarde com os Filipes. Por terras de Azurara tivemos na perda da independência, 1580, o nobre Henrique da Costa Faro, que vivendo em Lisboa se viu degredado para estas terras a mando de Filipe I. Veio criar a Casa de Lobelhe do Mato que posteriormente ramificou para Sto Amaro de Azurara, da qual já falei no Neoarqueo.
Excelente apontamento histórico, Al Cardoso.

Terreiro disse...

Aqui está uma história interessante! Naqueles tempos só não havia informação generalizada, rápida e só mais tarde se sabiam as novas. Mas no que toca a”jogadas” de poder, quase que é como hoje.

Gostei de ler este apontamento.

Abraços

Fornense disse...

bom trabalho sem duvida.. parabens
e boa semana!

al cardoso disse...

Caro Terreiro:
Como se pode ver estas intriguises e jogadas politicas sempre as houve e havera, por todo o lado onde habitar o nosso genero humano.