sexta-feira, setembro 16, 2005

CASAL DO MONTE


De acordo com o foral de D. Sancho I, concedido ao concelho de Penaverde, ja nessa altura (principio do seculo XIII) o Casal do Monte era uma herdade da Ordem Hospitalaria, esta mesma ordem devera ter-lhe concedido o primeiro foral anos mais tarde para promover o seu povoamento. Ha quem afirme que foi o prior do convento de Moreira em 1235 quem lhe concedeu o primeiro foral, no entanto creio que devera haver alguma confusao, porque essa carta a que se referem foi concedida a Queiriz que era ja nesse tempo a paroquia que englobava o Casal do Monte, no entanto sendo este propriedade dos Hospitalarios nunca esteve subordinado aquele convento.

No seculo XVI o rei D. Manuel I ter-lhe-a concedido foral novo em data hoje incerta, mas o seu pelourinho estilo manuelino a essa conclusao nos leva. Embora vila e concelho nunca constituiu paroquia e sempre esteve dentro da circunscricao paroquial de Queiriz. Desde o seculo XIII pertencia ao termo do julgado de Penaverde, mas ja em 1724 pertencia ao julgado de Trancoso.

Quando das reformas administrativas de 1836, entre os muitos concelhos extintos esteve tambem Casal do Monte, sendo conjuntamente com a freguesia de Queiriz englobado no Concelho de Fornos de Algodres, e como ja pertencia aquela paroquia foi a partir dessa data incluido naquela freguesia, tendo perdido entao toda a sua autonomia civil.

Depois desta pequena intruducao, quero referir-me as evidencias da presenca judaica neste pequeno mas muito antigo concelho, nao sabemos quanto numerosa tera sido a comunidade Hebraica, mas sabe-se que existiu e ainda hoje ha varios vestigios da sua presenca, em varias casas que foram mais tarde de "cristaos-novos". Situando-se relativamente perto de Trancoso que teve uma das mais numerosas e importantes comunidades judaicas da nossa Beira, nao e de estranhar a sua presenca deste povo no Casal do Monte.

O facto de nunca desde a epoca medieval, ter constituido sede paroquial, sabendo-se que outras povoacoes muito menos numerosas o foram, (ex. Vila Cha, 1525 =15 fogos) pode levar-nos a conclusao de que a maioria dos habitantes desta antiga vila nao era crista, seriam de religiao judaica, pelo que nao haveria incentivo para que esta vila tivesse constituido a sua propria paroquia, e os cristaos aqui residentes eram assistidos na igreja de Sta. Agueda em Queiriz.

4 comentários:

Anónimo disse...

É extraordinário como alguém, aquando da reforma administrativa conseguíu semelhante. Passar um lugar com categoria de Vila/concelho - para a dependência administrativa de um outro lugar que até então tinha um estatuto inferior - freguesia.Todo o lugar que sofre desclassificação administrativa, a essa localidade é-lhe atribuída a categoria administrativa imediatamente a seguir. Assim, é a primeira vez que sei de tal.
Terá sido vigança ou que outro motivo terá sido.Terá sido por neste lugar terem vivido muitos cristãos novos ou terá alguém uma explicação concreta para tal? gostava de saber.

al cardoso disse...

Na realidade pouco mais sei acerca desta antiga vila.
No entanto nao creio que tera sido vinganca nenhuma, porque em 1836 ja estavam completamente extintos quaisquer vestigios de antigos judeus nesta nossa sub-regiao.
A "santa" Inquisicao fez muito bem o seu papel e a forca e ao medo obrigou os que havia a cristinizar-se!

Um abraco dalgodrense.

Anónimo disse...

penso que esta vila/conselho nunca paroquia. por cousa dos vestigios judaicos/arabes existentes no local. mais uma vez a "santa" equisicao fez o que quiz sem dar explicacao

Al Cardoso disse...

Caro Anonimo(a):

Suponho que a razao em nunca ter sido Paroquia, tera que ver com duas razoes fundamentais, primeiro a sua pouca populacao, segundo o facto deste concelho pertencer a Ordem Hospitalaria, mais tarde Ordem de Malta. Porque a epoca da fundacao desta povoacao que ja existia no seculo XII, ainda nao havia "inquisicao", que so veio para Portugal em meados do seculo XVI!
No entanto concordo, que durante a idade media os judeus teram sido maioritarios nesta aldeia, que mais tarde chegou a vila e essa tera sido a razao em nunca a capela, que data da idade media, nunca ter sido elevada a igreja.
E provavelmente a antiga vila, no actual Municipio de Fornos de Algodres, da qual menos se lhe conhece a historia, pelo que muita coisa e suposicao, infelizmente!

Um abraco.