sábado, julho 08, 2006

Gravacao em Figueiro da Granja parte 2



Continuando a falar a referida gravacao, hoje coloco a consideracao dos meus amigos duas fotografias a preto e branco com os caracteres avivados, (pelo menos o que consigo ver).
Uma e a forma em que esta colocada na referida habitacao, a outra e invertida, pois eu creio que podera nao estar no local originario, e, ter sido colocada invertida nesta construcao.
A estar colocada na posicao original, talvez se consiga ver a data de: 4381, que so faria sentido se considerassemos o calendario judaico e isso atirar-nos-ia para o seculo primeiro, o que eu considero improvavel.
No caso de estar invertida poderia ser 1804 e os outros riscos estarem a mais.
Mas tambem podera ser so o numero 18 com uns rabiscos nao identificados.
A titulo de curiosidade, quero fazer notar que o numero 18 e um numero muito simbolico para os judeus e ja aparece numa outra gravacao em Fornos de Algodres, numa casa que foi sem duvida de "cristaos-novos", aparecendo neste caso o numero 18 seguido de um 5 ou S. (ver meus arquivos de Marco)

7 comentários:

Nuno disse...

Amigo Albino,
Lamento, mas não sei o que opinar.
Muitos parabéns pelo levantamento que vem fazendo destas inscrições inéditas.

eduardo disse...

Hallo! Grub dich!

Roderick disse...

Não poderá ser algum símbolo hebraico?

Tons Pastel disse...

...posso saber por que razão te interessas tanto por estas inscrições? é um tema interessante e como sabes os judeus foram definitivamente expulsos de Espanha no século XV e vieram para Portugal.
Um beijo

Joaquim Baptista disse...

Caro Al o 18 creio ler-se sem grandes dúvidas os outros caracteres parecem-me a mim (que não sou especialista) hebraicos. Veja os caracteres das inscrições hebraicas aparecidas em Portugal no site do IPMuseus.

al cardoso disse...

Como resposta a Tons de Pastel, quero dizer-lhe que este meu interesse por este tema, tem muito que ver com o facto de eu suspeitar ter sangue judaico e tambem, pelo facto de sobre este tema ate eu te-lo iniciado, nada se ter escrito ou investigado sobre esta area, no que respeita ao meu municipio.
Como vera, nao tenho tido muita ajuda por parte dos meus conterraneos, mas isso nao me tem esmorecido. Talvez muitos deles ainda estejam com medo da inquisicao!

Anónimo disse...

Caro Al

Sou incapaz de não me pronunciar sobre o seu último comentário... em resposta à Tons de Pastel... aliás serve também como resposta a ela. É de facto um assunto muito interessante, justamente porque está ainda muito mal estudado. Há já cerca de 4 anos efectuei o levantamento exaustivo de todas as inscrições similares do Centro Histórico de Celorico da Beira (e de algumas aldeias do concelho)... e devo dizer-vos que o meu maior interesse (para além do sangue judaico que também povoa o meu corpito!) tem a ver com o facto: preservação! Se efectivamente se desconhece tanto sobre o tema, então pelo menos que se registem a existência destas inscrições e que se tentem preservar para que, quem sabe num futuro próximo, se possa conhecer mais. Efectivamente este é um tipo de património muito passível de ser facilmente destruído... não deixando vestígios sequer de alguma vez ter existido. Importa por preservar pelo registo para que se possa posteriormente estudar e divulgar... já que mais parece tantas vezes ser impossível fazer...
Neste sentido, e com vista ao cumprimento deste que me parece um objectivo justo para este património... disponha sempre do meu homónimo interesse no assunto.

Um abraço
Ana Penisga