sexta-feira, agosto 03, 2007

"JUDEUS EM TERRAS DE ALGODRES"!

Ninguem podera desmentir a existencia de judeus em "Terras de Algodres", em tempos anteriores ao seculo XVI, (ou nao fossem estas terras tao proximas de comunidades judaicas bem conhecidas; Trancoso, Gouveia, Celorico e Linhares). Provando-o tambem, existem varios processos no tribunal da inquisicao de Coimbra, (a que esta regiao pertencia) mas tambem nos de Lisboa e de Evora, referindo varios naturais, das localidades do que presentemente constitui o municipio de Fornos de Algodres, a que ja me referi neste sitio e, a outros me referirei proximamente.
Contudo ate hoje, nao consegui encontrar processo algum, referindo "heresias judaicas", de nenhum natural ou residente, quer da vila de Algodres quer da vila de Fornos.
Ora sendo estas as localidades mais importantes e populosas, isto leva-me a pensar que; ou os judeus aqui residentes se converteram decididamente, nao lhes podendo ser imputado nenhum "crime" punido pela Inquisicao, ou entao a sua vida dupla foi tao bem ocultada, que nao foi reparo nem aos denunciantes, nem aos padres do "Santo Oficio".
Uma outra explicacao podera ainda ser encontrada; nestas terras nunca existiu nenhum convento ou mosteiro, de qualquer ordem religiosa. Sabendo-se que a inquisicao tinha a sua maior base na Ordem Dominicana, nao existindo monges por aqui, menos oportunidades houve para a abertura de mais processos.
Quanto ao clero regular, embora por vezes colabora-se com o "Santo Oficio", na maior parte das vezes nao lhe facilitava a vida. Sao bastante conhecidas as reticencias e ate as influencias movidas pelo bispo de Lisboa, contra a instituicao do tribunal da inquisicao em Portugal. Alem disso dentro do clero regular e tambem na "Companhia de Jesus", houveram muitos padres originarios de familias judaicas, sendo talvez o mais famoso o padre Antonio Vieira!
Nao havendo portanto referencias escritas por mim conhecidas, acerca de judeus ou "cristaos-novos" nas vilas de Fornos e de Algodres, so me posso socorrer das "marcas" ja aqui divulgadas a provar a sua existencia.
Nas minhas ultimas voltas, pelas terras da minha terra, "descobri" outras mais, que seguidamente irei divulgar!

9 comentários:

Manuela disse...

Olá amigo Cardoso.
Vim deixar um abraço pois vou de férias e só volto no fim do mês.
Fique bem com saúde.
Até breve.
Manuela

Tozé Franco disse...

Venham elas...
Um abraço.

Jofre Alves disse...

Vamos então esperar pelas novidades que nos vai trazer em breve. Boa semana.

Pete disse...

Fico à espera das novidades e espero que as férias tenham sido boas.

Um Abraço e boa semana.

Moura disse...

Caro amigo posso fazer um post com o tal I Encontro de Amigos...em Festival Gastronómico? Nesse post colocaria a "tal" fotografia dos 3 artistas da blogosfera! Tenho permissão de utilizar a imagem?
Um abraço

al cardoso disse...

Caro Moura:
Pois claro que pela minha parte, tem toda a autorizacao, ca fico a espera do "post".

Um abraco de amizade.

Lizzie disse...

Caro al cardoso:

Vi o seu post sobre os judeus em Fornos e Algodres e achei interessante trazer o tema, pois eu também não consegui encontrar nada sobre os judeus nestas povoações na Idade Média antes da expulsão, pois foi só até aí que pesquisei, contudo eu acabei a minha especialização sobre judeus na Beira Interior em 2008, e de lá para cá nunca mais investiguei nada, mas e dado que neste ano de 2012 volta a ser discutido este tema e fui convidada a ser comunicante num colóquio sobre o mesmo, pergunto-lhe se conseguiu algum documento ou se tem novas pesquisas feitas, nomeadamente para a Idade Média, pois gostaria muito de defender a existência dos judeus na Beira Interior num perímetro mais alargado, podendo evidenciar a sua importante marca nas raízes portuguesas.

Muitos parabéns pelo blog, fico a aguardar a sua resposta. Os meus cumprimentos.

al cardoso disse...

Cara Lizzie:

Ate hoje nao consegui encontrar, nenhum documento medieval referindo judeus no que actualmente e o municipio de Fornos de Algodres, que e composto na totalidade e em parte dos seguintes concelhos medievais: Algodres, Fornos de Algodres, Matanca, Figueiro da Granja, Infias, Casal do Monte e Linhares.
Existem unicamente referencias a dois "Arrabys" no foral de Algodres, atribuido por D. Dinis em 1339 da era de Cesar. (1311 da era de Cristo) Mas foram unicamente testemunhas, pelo que nao creio que fossem daqui naturais ou residentes.
Veja na minha entrada de Outubro, 10 de 2007!

Pode procurar por "foral de Algodres"

No entanto e devido as muitas descobertas, de gravacoes cruciformes e afins, em todas ou quase todas as povoacoes de Fornos de Algodres, nao creio que sejam todas de familias judaicas convertidas, e so aqui residentes na idade moderna!
Provavelmente sabera que existem processos da inquisicao de naturais e residentes em terras do que e hoje o municipio de Fornos de Algodres, em que referem "judaismo" e "cristao-novo", posso por exemplo indicar as povoacoes por mim conhecidas: Soveral (Sobral Pichorro), Muxagata, Juncais, Ramirao.
Onde nao aparece nunhum processo e de Fornos, que pelos vestigios ainda hoje existentes, existia a maior comunidade e, em Algodres a sede do maior concelho medieval!

Caso possa ajudar com mais alguma coisa estou a disposicao, embora pela distancia nao seja muito facil!

Lizzie disse...

Muito obrigada por ter respondido, de facto é estranho nos documentos régios não aparecerem menções aos judeus destas povoações, já que o mais certo é eles terem-se espalhado por toda a região da Beira. Quando fiz a minha tese escolhi esta região porque uma parte da minha família é natural de Vila Ruiva (Fornos de Algodres), mas infelizmente tive pouco auxilio das entidades já que nem na Guarda no Arquivo Distrital me deram algum apoio quanto a fontes.
Tive de recorrer à Torre do Tombo, nomeadamente às Chancelarias régias e aí pouco se encontra.
Mais uma vez obrigada pela sua disponibilidade e atenção