segunda-feira, outubro 01, 2007

O Jardim e a data de 28 de Maio!


Junto ao edificio da Camara Municipal da vila de Fornos "d'Algodres", encontra-se um pequeno jardim, que provavelmente muita gente desconhece o toponimo; e o "Jardim 28 de Maio". Embora sem estar cem por cento certo, creio que este toponimo tem que ver com a revolucao acontecida nesse dia no ano de 1926, quando foi derrubada a primeira republica e instituida a Ditadura Militar, que daria origem em 1933, ao regime que vigorou em Portugal ate ao dia em que floresceram os cravos nas G-3.

Digo isto, nao so pelo nome atribuido ao jardim, mas tambem pelos enormes retratos ainda hoje existentes na escadaria da Camara; um do General Gomes da Costa e outro do Marechal Carmona, as duas maiores figuras dessa revolucao. Isto por si so, e talvez exemplo mais que necessario, para mostrar o quanto conservador e o meu municipio (ou uma parte dele).

Ora o que provavelmente muitos dos meus conterraneos nao sabem, e que a data de 28 de Maio, tem muito mais que ver com Fornos, do que a revolucao militar do ano de 1926.

Tive ultimamente conhecimento atravez do meu amigo Nuno Soares: http://algodres.blogs.sapo.pt/, que D. Dinis concedeu a esta vila, um foral no dia 28 de Maio de 1310, (1348 da era de cesar) quer isto dizer que sem o saberam, os autarcas que deram este toponimo ao jardim, estavam a escrever direito por linhas tortas!

Queria sugerir ao responsavel pelo site municipal que corrigi-se a parte historica referente a vila de Fornos, porque a raiz destes novos conhecimentos, sim Fornos teve foral por D. Dinis em 1310, ate antes de Algodres que o teve em 1311!
Tambem nao seria descabido, mudar o feriado municipal para o dia 28 de Maio, nao que eu tenha algo contra o Sao Miguel Arcanjo, muito pelo contrario, mas creio que os feriados municipais deveriam refletir realidades historicas municipais e nao ser dias religiosos!

3 comentários:

nuno disse...

Interessante sugestão, amigo Albino. Em todo o caso, não sei se este facto histórico terá "peso" suficiente para alterar a tradição...

Creio, também, que convirá recordar que os forais dados por D. Dinis a Algodres e Fornos não vieram fundar esses municípios, que já existiam e eram regulados por documentos anteriores (que se terão perdido mas de que nos dão conta, por ex., as Inquirições). Os forais de D. Dinis (como se vê no texto do de Algodres, publicado por Mons. Pinheiro Marques) vieram confirmar concelhos e foros pré-existentes, convertendo as prestações monetárias em libras, padrão introduzido, salvo erro, por D. Afonso III.

Um grande abraço,

al cardoso disse...

Caro Nuno:
Por sua vez esses pagamentos que originalmente eram em generos, tinham sido convertidos em prestacoes monetarias creio que por D.Sancho I em 1200, data que alguns autores dao como o primeiro foral de Algodres.

Um abraco de amizade.

Eddy Nelson disse...

Trata-se de uma coincidência realmente interessante!!!

Um abraço raiano