sábado, setembro 09, 2006

Ha 700 ANOS " em tempo de tolerancia."

Tive conhecimento atravez do meu amigo Inacio Steinhardt; (www.geocities.com/ishluz) , que se cumprem amanha 10 de Setembro, os setecentos anos da inauguracao da primeira grande sinagoga de Lisboa.
Nesse ano, esse dia da nossa era comum, coincidiu com o primeiro dia do Rosh Hashana do ano de 5067, ou primeiro do mes de Tishri, que de acordo com a tradicao, foi tambem quando se terminou a construcao do Templo do Rei Salomao.

Esta opulenta sinagoga para aquele tempo, foi inaugurada pelo Rabi-Mor Dom Judah Ben Yahia, neto do primeiro Rabi-Mor do reino de Portugal, Yahia Ibn-Yaish nomeado por D. Afonso Henriques.
No Museu Abraham Zacuto em Tomar (antiga sinagoga daquela cidade) ainda se conserva a placa dessa sinagoga, embora ja bastante danificada.

Aquela sinagoga estava situada a entrada da Judiaria Grande de Lisboa, relativamente perto da Igreja da Madalena.

Quando em 1497, foi ordenada a conversao forcada dos judeus, todas as sinagogas passaram para a posse do Rei. Pelo que D. Manuel I anos mais tarde, doou o edificio da sinagoga aos frades da Ordem de Cristo, que o transformaram depois de autorizados pelo Papa, na igreja da Senhora da Conceicao (Velha), destruida totalmente pelo terramoto de 1755.

Devo fazer notar, que a ultima sinagoga construida em Portugal, foi a de Gouveia na nossa Serra da Estrela, creio que um ou dois anos antes, da expulsao e conversao forcada dos judeus.

Embora sem a cultura (ou instrucao) trazida pelo Renascimento, os nossos Reis da primeira dinastia, tinham muito mais sentido de justica e eram muito mais tolerantes, para com a gente que professava outras religioes.
Infelizmente para nos portugueses, com as riquezas trazidas com as "Descobertas" (muito devidas ao contributo dos judeus) veio tambem a intolerancia, o odio e a inveja, em quantidades tais, que endureceu o coracao daqueles que por centenas de anos, viveram em harmonia com mouros e judeus.
Nisto, nao esquecamos nunca, o papel intolerante e fanatico, desempenhado pela "Santa" Igreja, Catolica e Romana.

10 comentários:

TSFM disse...

Pelos conhecimentos de História que tenho subscrevo inteiramente as palavras dos últimos parágrafos.
Quanto aos primeiros parágrafos, sobre História do Judeus em Portugal e não apenas em F Agodres, sabe e dá lições o meu amigo Al. Parabéns pelo post.

al cardoso disse...

Caro Tavares:

Nao esqueca que tenho obtido parte do conhecimento, atravez do meu amigo Inacio e do Nuno Guerreiro. (Rua da Judiaria, meus links.)


Um bom fim de semana para o meu amigo.

Ps: Ca continuo a espera da surpresa!

Tozé Franco disse...

A tolerância deve ser um valor a cultivar.
O conhecimento da Historia é fundamental para a construção da identidade de uma povo, e aqui, sinceramente, acho que a nossa está a ir pelo caminho da amargura, e, sobretudo, para aprendermos com os erros do passado.

Tozé Franco disse...

A tolerância deve ser um valor a cultivar.
O conhecimento da Historia é fundamental para a construção da identidade de uma povo, e aqui, sinceramente, acho que a nossa está a ir pelo caminho da amargura, e, sobretudo, para aprendermos com os erros do passado.

O Micróbio II disse...

"Nisto, nao esquecamos nunca, o papel intolerante e fanatico, desempenhado pela "Santa" Igreja, Catolica e Romana."... só comparado ao "papel intolerante e fanatico, desempenhado" actualmente pelos próprios judeus.

Pete disse...

É por causa das grandes incongruências da Igreja que eu cheguei à conclusão que mais vale ser ateu.

Um Abraço e boa semana.

al cardoso disse...

Caro Microbio II:

Voce cre que uma coisa pode perdoar a outra?

Eu refiro-me a historia do nosso pais, nao me interessa tanto a historia dos outros.

Bem haja por comentar.

asn disse...

Ora aqui está como se entra num ciclo vicioso que não nos leva a porto seguro.
Quanto a mim, TODAS AS RELIGIÕES ACABAM POR LEVAR AO FANATISMO DOS QUE TÊM MEDO DE DEUS. Ora DEUS, seja ele quem for, se foi quem criou o TUDO e o NADA, se está concebido na nossa mente como um ser que não conseguimos entender, como é que ELE próprio pode ser o instigador de tanto fanatismo?
A Igreja, quantos PECADOS, meu Deus!
Ámen!
ps: já descobrimos que a árvore é mesmo um choupo! E assim se vai aprendendo! Nunca é tarde. Fazia muita confusão entre a faia e o choupo.
Prossiga Al
Um abraço
António dispersamente

Crónicas de Ariana disse...

Passei para deixar um abraço.

BJS :)

Joaquim Baptista disse...

Quanto a fanatismo, ele existe em todos os lados. Agora o Micróbio deve estar a precisar de óculos e de ver notícias, ler jornais, etc, para saber que aquilo que disse se aplica que nem uma luva não aos judeus, mas sim aos amigos muslins. Não é que não haja judeus fundamentalistas, mas igualmente existem cristãos,que igualmente o são. É por esta e por outras que cada dia que passa me afasto das religiões. Agora etnicamente o caso obviamente muda de figura, e cada um é o resultado da geração vinda dos antepassados, não há volta a dar. Há por aí muito bom judeu a chingar o seu povo, por burrice e desconhecimento. Outros são advogados do diabo