segunda-feira, outubro 17, 2005

OS LATOEIROS


A latoaria e o fabrico de objectos de uso geralmente domestico em metal de folha de Flandres ou chapa zincada, pelo nosso povo identificada por "lata". Estes artigos: Cantaros, regadores, baldes ou outros mais pequenos como canecas, medidas, almotolias, funis, etc; embora ja hoje destronados devido ao uso generalizado do plastico, foi ate a relativamente pouco tempo uma actividade com bastantes artezaos no nosso concelho, principalmente na vila de Fornos e nas freguesias de Juncais, Figueiro da Granja e creio que tambem na Matanca.

Ligada tambem a pastoricia e ao fabrico do queijo "da Serra" tambem se confecionavam objectos ligados a essas areas como: a candeia do pastor, a ferrada para a ordenha e transporte do leite, a francela (outrora feita em madeira) e os acinchos para a confeccao dos queijos.

Nao havia feira nenhuma nesta regiao, em que nao se negociassem estes metalicos artigos e ainda hoje muitas vezes so para artezanato e decoracao ainda se podem comprar nas poucas feiras que ainde se realizam.

Em tempos ainda nao muito recuados para alem das oficinas de latoeiro, normalmente no res-do-chao das suas residencias (uso muito comum entre os judeus) ainda em especificos dias se deslocavam as outras aldeias, onde nao havia este tipo de artezaos, para junto dos necessitados repararem alguns objectos que entretanto se tinham rompido, normalmente: cantaros, regadores e baldes. Eu ainda em crianca presenciei este tipo de consertos e cenas como esta ficaram gravadas na minha memoria, sendo para os meus olhos de crianca como um milagre a forma como os latoeiros derretiam a solda nessas reparacoes. (reciclagenm em accao ja nesses tempos)

Para alem dos artigos referidos eram tambem os latoeiros, que noutras localidades eram identificados por "picheleiros" quem fabricava tambem as caleiras e algeroses para as habitacoes e bem assim os "canecos" das noras, muito usadas ainda em tempos nao muito distantes, mas que as ultimas 2 ou 3 geracoes ja nao conheceram, mas que antes do advento das bombas com motores a gasolina e gasoleo e ultimamente electricas, eram juntamente com os "picancos" e "cabacos" (outro uso de materiais em "lata") a maneira como se extraia dos pocos e nascentes a agua que outrora tornava as nossas leiras e quintas uns jardins, em que se produzia praticamente tudo para alimentacao nas nossas gentes.

Pelo que referi estes artezaos eram essenciais ao bom funcionamento das varias areas em que baseava a vida e a economia destas areas rurais nas quais se integravam as nossas "Terras de Algodres". Nao sei desde quando se comecou a desenvolver esta arte da latoria, mas e muito antiga. Tampouco conheco quem a tera introduzido na nossa regiao, o que sei e que foi praticada pelos judeus e nem me admiraria que os nossos antigos "latoeiros", fossem descendentes de "cristaos-novos" ou deles tivessem aprendido esta profissao.

Da mesma maneira que o fiz com os "tamanqueiros" quero neste apontamento prestar a minha homenagem aos "latoeiros" pelo seu contributo ao antigo progresso da nossa terra e saudar ou poucos que ainda existem, pela sua perseveranca pois nestes tempos poucos ou nenhums lhe seguiram as pisadas, e creiam que e pena.

1 comentário:

BISCATIZ - Ricardo Crespo disse...

Boas
Este é um assunto que gostaria de saber mais, principalmente no que respeita á parte mais técnica e maquinaria/utencilios utilizados.

Bom trabalho

Ricardo Crespo