terça-feira, abril 02, 2013

"Santa Eufemia da Matanca" I

Capela romano/gótica de Santa Eufémia, Matança, Fornos de Algodres.

Como ainda estamos na época da Pascoa e porque, foi nesta Segunda Feira da Pascoa, que no antigo concelho da Matança, se celebrou a festa da milagrosa "Santa Eufémia". (o outro dia e o 16 de Setembro) Quero deixar novamente uma pequena referencia a esta ermida e, a um outro facto provavelmente desconhecido de muita gente, não mencionado em nenhum livro ou ate folheto turístico, tanto quanto sei!
Primeiramente gostaria de me referir a esta invocação; (Santa Eufémia) muito enraizada em Portugal, mas e principalmente, a norte do rio Tejo!
Como muitos de vos sabereis Santa Eufémia, não e uma única santa, existem documentadas varias santas Eufemias, sendo as mais conhecidas a de Braga ou Ourense, que se encontra sepultada na catedral de Ourense, na Galiza; a Romana que se encontra sepultada na igreja paroquial de Santa Maria Maior, em Dorno, diocese de Vigevano, arquidiocese de Milão e, a de Calcedónia cidade da Ásia Menor e que se encontra sepultada na catedral da cidade de Rovinj na Croácia.
Da Santa Eufémia romana, sei muito pouco e nem sei bem como foi o seu martírio, que aconteceu durante os primeiros tempos do cristianismo, mas ainda durante o império romano pagão, o seu corpo foi encontrado nas catacumbas de Roma.
A Santa Eufémia da Calcedónia e a mais conhecida e historicamente melhor documentada, foi filha de um nobre Senador romano já cristianizado e, viveu entre os anos de 284-305, durante o império de Diocleciano. Devido a sua beleza foi desejada pelo juiz Opisco, que não a convencendo pois desejava conservar-se virgem, a martirizou, sendo depois deitada ao fosso dos leões, que ficaram mansos e nada lhe fizeram, então num misto de furor e raiva o próprio juiz trespassou o seu coração, falecendo em 16 de Setembro de 303!
A Santa Eufémia de Braga ou Ourense, segundo a lenda, foi uma das nove gémeas santas ( Eufémia, Marinha, Quitéria, Germana, Genebra, Liberata, Marciana, Victoria e Basilia; filhas do Regulo Romano de Braga: Lúcio Caio e sua mulher Calcia, durante o império de Adriano. Foram criadas por Sita uma crista oculta e, baptizadas pelo bispo de Braga S. Ovídio.
Devido ao facto de serem cristas e porque não as conseguiu convencer a renunciar a sua fé, todas elas foram julgadas pelo próprio pai sendo martirizadas em diferentes pontos da Hispânia Romana.
Santa Eufémia que e a que me refiro, foi presa e acoitada  de tal forma, que o seu corpo ficou uma chaga viva, sendo depois encerrada numa masmorra para ai morrer, acontece que foi curada miraculosamente. Quando isto viram os seus algozes, foi pendurada pelos cabelos numa figueira, e mais tarde deitada abaixo de uma penedia na Serra do Geres, tendo escapado a tudo isto, foi por fim degolada afirma a lenda e, os "cronicoes" da idade media, no dia 13 de Abril de 140.
O local da sua sepultura foi algo de grande devoção, ate que com as invasões dos bárbaros se perdeu a sua localização.
Foi já no século XI (1090) que uma pastora, encontrou uma mão incorrupta que se encontrava desenterrada, com um belo anel no dedo, tendo-lho retirado levou-o a seu pai, mas não conseguiu explicar-lhe de onde o tinha tirado, porque tinha ficado muda. Por gestos la o levou ao local e tendo-lhe colocado o anel do dedo daquela mão, recuperou a fala.
Desenterraram então o corpo e nesse momento ouviram vozes angelicais, dizendo que era o corpo de Santa Eufémia, que foi transportado para a ermida de Santa Marinha, (sua irmã) que esta na povoação de Manim, concelho de Lobios, em Ourense na Galiza.
Ai se conservou ate que no ano de 1159 o bispo D. Pedro II, transladou o corpo para a catedral de Ourense, onde se encontram ainda hoje estas relíquias. a 13 de Setembro 2009; 850 depois da transladação do corpo da santa para Ourense, foram entregues partes das relíquias a duas paroquias de invocação de Santa Eufémia; Calheiros, diocese de Viana do Castelo, Portugal e, Ambria diocese de Ourense, Galiza, Espanha.

Desconheço qual e a forma de representação iconográfica da Santa Eufémia Romana, mas a Santa Eufémia da Calcedónia, tanto e apresentada em imagem, com um livro ao peito aberto ou fechado,  uma palma na mão símbolo do martírio, com leões a seus pés, ou com com uma espada e, um lírio na mão, símbolo de pureza, com variantes de terra para terra. Por vezes também aparecem imagens que tem a seus pés a roda de facas do martírio, embora esta roda seja mais representativa de Santa Catarina.
Imagens com esses símbolos, aparecem nas varias capelas e igrejas, na maior parte dos templos a esta santa dedicados por todo Portugal.

Acontece que a nossa Santa Eufémia da Matança, para alem da palma do martírio, comum a todos os santos mártires, não tem nenhum dos símbolos que são atribuídos a Santa Eufémia da Calcedónia. Pelo que sem grandes receios de poder ser desmentido, estou convencido que esta nossa santa, que tem mão esquerda um objecto, que se usava para tratar o linho, feito de pontas afiadas, que terá sido um dos objectos do seu martírio, e não tem nenhuma relação com as outras imagens mencionadas acima, estou seguro que e a Santa Eufémia nascida em Braga e sepultada em Ourense!

Embora o calendário santoral romano actual, só reconheça a Santa Eufémia da Calcedónia, o nosso povo hispânico sempre venerou e vai continuar a venerar, esta nossa santa que nasceu em território que mais tarde viria a ser Portugal!

PS: Agradeço reconhecidamente a fotografia, a amiga Aluap, do blogue:
 http://onovoblogdosforninhenses.blogspot.com

6 comentários:

✿ chica disse...

Como é bom esse resgate, a história e cultivo das tradições. Belo trabalho!

abraços,chica

XicoAlmeida disse...

Bom dia Sr. Al Cardoso.
Obrigado pelo seu belo relato, tão pormenorizado e sentido.
Também tenho carinho especial pela Santa Eufêmia da Matança e tantas vezes lá fui.
Um abraço

Lenasofix Dias disse...

A Santa Eufêmia da Fonte-Fria, o objecto a que se refere é um ripanço que é usado para tecer o linho.
O texto sobre a história de todas as Santas está espetacular e com ele fiquei a conhecer muito melhor a história de cada uma delas.

aluap disse...

Caro Al,
Não precisava agradecer-me a fotografia, contudo bem-haja pela referência que fez ao blog dos forninhenses.
Eu também penso que a naturalidade de Santa Eufémia e Santa Marinha é de Orense-Braga actual território de Portugal e está associada à lenda das 8 irmãs virgens mártires.
A sua imagem é muito linda e também perguntava eu na 2.ª Feira, além da palma do martírio, que objecto era aquele que tinha na outra mão? Não sabia que era um ripanço para ripar o linho. Obrigada Lenasofix Dias por partilhar.
Eu se pudesse ía à festa/romaria da Santa Eufémia todos os anos. É uma das santas mais populares de Portugal e nas nossas terras beirãs diz o povo que é das santinhas mais milagrosas. Apesar da muita chuva vieram ali muitos devotos cumprir a tradição na forma de promessa ou de simples participação.
O artigo é sobre uma temática do meu agrado e tenho e devo dizer-lhe que está muito bom! Parabéns e um abraço amigo.

al cardoso disse...

Bem haja cara Lenasofix Dias.

Nao sabia que era um ripanco para tratar o linho, nem tenho conhecimento que tivesse sido esse objecto, uma das formas do seu martirio!
E provavel que podesse ter sido e, sendo este objecto muito usado nao so na nossa Beira como no alto Minho, de onde era natural a nossa "Santa Eufemia" mais uma razao e indo contra as novas correntes, que a nossa Santa Eufemia e a de Braga e nao a da Calcedonia, como eu ja vi escrito! Nao acredito que se cultivasse linho na Asia Menor, mas sim algodao!

Um abraco dalgodrense.

Poetisa disse...

Adorei saber mais sobre a história da Santa Eufemia! Gosto muito de aprender sobre os santos, que acabamos por conhecer apenas nas igrejas que visitamos, sem saber como tudo iniciou. Parabéns pela postagem!